Ir direto para menu de acessibilidade.
Brasil – Governo Federal | Acesso à informação
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

IFPA Campus Abaetetuba aprova três projetos no “Meninas na Ciência”

  • Publicado: Sexta, 09 de Abril de 2021, 14h12
  • Última atualização em Sexta, 09 de Abril de 2021, 14h12
  • Acessos: 96

 

O IFPA Campus Abaetetuba está muito feliz com o desempenho das nossas alunas pesquisadoras e dos seus professores orientadores. Na última Chamada Interna Nº 01/2021 Meninas na Ciência, o campus conseguiu aprovar três projetos na seleção, ficando entres as cincos melhores colocados, 1º, 4º e 5º lugares gerais. 

Inicialmente seria apenas um projeto por campus, mas dada a qualidade dos projetos das nossas meninas e de uma pontuação muito boa alcançada durante a seleção, conseguiram emplacar três que serão custeados com recursos provenientes deste edital.

O foco do Projeto Meninas na Ciência é promover o acesso e a participação de mais meninas na ciência, sendo uma ação desenvolvida no Instituto Federal do Pará (IFPA), por meio da Pró-reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação (PROPPG).

Os três projetos aprovados são:

 

Projeto 1 – 1º lugar geral

Título – Calendário Acessível: Planejando o futuro e Desvendando a Fauna Amazônica.

Aluna pesquisadora: Nágylla de Fatima da Silva Sena, Graduanda do curso de Licenciatura em Ciência Biológicas do IFPA Campus Abaetetuba. 

Orientadora: Prof. Dra Aldenice de Nazaré da Silva Pererira

Colaboradora: Maria Luciene de Oliveira Lucas, Docente da área de Informática do Instituto Benjamin Constant – IBC- Rio de Janeiro

Descrição do projeto

A partir da perspectiva de inclusão da pessoa com deficiência visual, surge a ideia da criação de um calendário acessível, sendo este uma ferramenta essencial para a autonomia e inclusão das pessoas com deficiência visual no cotidiano. A partir dele será realizada a leitura e compreensão das datas, dias da semana, datas comemorativas, feriados nacionais e informação sobre a ictiologia amazônica, que é de difícil acesso para essa parcela da população.

Além disso, o projeto irá permitir que os alunos do IFPA e da rede púbica de ensino do Município de Abaetetuba, com deficiência visual recebam gratuitamente uma cópia do calendário acessível no início do ano letivo de 2022, e o mesmo ficará disponível em formato digital para download pela comunidade em geral.

O objetivo principal dessa pesquisa é desenvolver um calendário acessível em braille, que auxilie e favoreça a compreensão da “passagem do tempo” possibilitando o planejamento do cotidiano e o acesso a conteúdo científicos e morfológicos sobre a fauna ictiológica amazônica.

 

Projeto 2 – 4º lugar geral

Título - Jardim sensorial: possibilidades pedagógicas de ensino de Botânica para alunos com baixa visão.

Aluna pesquisadora: Ozielma Neponucena dos Reis, aluna do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas.

Orientador: Prof. Dr. Benilson Silva Rodrigues

Descrição do projeto

 O projeto tem como objetivo implantar um Jardim Sensorial no IFPA – Campus Abaetetuba e utilizá-lo como um espaço capaz de disponibilizar recursos didáticos e inclusivos para o ensino de Botânica através da utilização de metodologias inovadoras que possam facilitar o processo de ensino-aprendizagem atendendo aos discentes da comunidade local, além de permitir a inclusão dos alunos com deficiência visual. Adicionalmente, o projeto também visa contribuir com a formação de professores de Biologia no contexto da Educação Inclusiva.

 

Projeto 3 – 5º lugar geral

Título - Avaliação dos efeitos genotóxicos causados pela contaminação ambiental por efluentes industriais em Barcarena e Abaetetuba.

Aluna pesquisadora: Camila de Lima Silva, discente do Curso de Licenciatura em Biologia –IFPA do IFPA Campus Abaetetuba.

Orientador: Prof. Dr. Augusto César Paes de Souza.

Descrição do projeto

Os agentes genotóxicos são assim denominados por causarem danos ao DNA, podendo levar a mudanças hereditárias e ao desenvolvimento de doenças. Estes danos podem causar a apoptose, defeitos em mecanismos de checagem e reparo celular, formação de células malignas e eventos mutacionais.

Peixes são considerados bons bioindicadores porque respondem de modo muito similar aos vertebrados no que diz respeito ao efeito causado por um composto no organismo, isto é, os dados gerados indicarão o que acontece com os peixes quando expostos à substância genotóxicas e permitem prever em termos extrapolativos o que causaria para outros organismos, inclusive humanos.

Ao estudarmos essas comunidades de peixes provenientes de áreas contaminadas tem-se como objetivo fazer um levantamento da diversidade de organismos aquáticos (peixes) da localidade e, identificar alterações no material genético e rearranjos cromossômicos que possam interferir na dinâmica populacional das espécies. As informações obtidas serão importantes para a tomada de decisões eficientes na conservação e preservação do meio ambiente, com evidentes resultados positivos para a região em geral e as comunidades humanas locais em particular.

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página
-->